Boas práticas para acessar capital via equity

Capital é fundamental para o crescimento de uma scale-up. Por meio dele, é possível: 

  • Contratar mão de obra qualificada;
  • Investir em novos produtos e serviços;
  • Melhorar atuais produtos e serviços;
  • Investir em canais de aquisição de clientes;
  • Expandir o negócio geograficamente (nacional e internacionalmente).

Porém, mesmo com o maior boom da indústria de Venture Capital do Brasil, os empreendedores e empreendedoras ainda enfrentam grandes desafios durante a jornada de fundraising. 

Há muita concentração de capital em poucas empresas, além de termos predatórios com alta diluição dos fundadores, prejudicando seu captable e colocando em risco o crescimento das empresas no longo prazo.

Dessa forma, mais capital disponível no ecossistema nem sempre é sinônimo de melhores condições nas rodadas.  

Por isso, precisamos garantir que as empresas busquem o melhor capital para o seu crescimento e que seus fundadores e fundadoras encontrem termos justos e alinhados com suas visões de futuro. 

Confira os principais desafios na hora de captar via equity e boas práticas para acessar capital.

Divisão por momentos de uma rodada


Da preparação até o processo de pós captação, existem muitos desafios que fazem com que empreendedores e empreendedoras corram o risco da alta diluição. 

Em nossos 20 anos apoiando scale-ups com acesso a capital, mapeamos os principais momentos de uma captação via equity:

Momento da captação


A captação precisa fazer parte da estratégia da empresa

Antes de realizar uma captação de investimentos, tenha em mente que o capital deve servir à estratégia do seu negócio.

Dessa forma, é preciso ter um plano de crescimento claro para saber como o capital será usado para alavancar seu negócio. 

É preciso ter clareza dos trade-offs da captação 

Em qualquer tipo de investimento existem vantagens e desvantagens. Entender todos os trade-offs é um dos primeiros e mais importantes passos na hora de captar recursos.

Por exemplo, caso você opte por captar via Growth Capital, os trade-offs são: 

Vantagens

  • O processo de aprovação ou negação do investimento costuma ser rápido.
  • Em relação ao controle da empresa, o empreendedor ou a empreendedora não pode ser excluído como gestor ou gestora.
  • O investimento agrega recursos, conhecimento e profissionalização para o crescimento acelerado da empresa. 
  • Também há maximização de valor, já que os investidores e investidoras atuam na gestão da empresa.
  • Aumenta a credibilidade da empresa, proporciona a sustentabilidade futura do negócio e torna a empresa competitiva e pronta para o mercado global, aumentando as chances de um IPO.

Desvantagens

  • A cada rodada, o fundador ou fundadora se dilui de 15 a 30%, em média. É importante negociar o percentual de participação do fundo no negócio para que você garanta as próximas rodadas tendo um percentual de participação justo no negócio.
  • Os investidores e investidoras têm participação na tomada de decisão, incluindo poder de veto.
  • Há um custo relevante. Como envolve operações offshore, é necessário contratar advogados em vários lugares.

No Mapa de Acesso a Capital, você confere os trade-offs de todos os tipos de investimento

Investidores e investidoras como sócios e sócias

Os investidores e investidoras passam a se envolver na tomada de decisão da sua empresa, participando do conselho e obtendo direitos políticos como o poder de veto. Porém, é preciso encarar pelo lado positivo: é uma pessoa com experiência e conhecimento e que te dará suporte nos processos estratégicos importantes para o crescimento da scale-up.

Dicas importantes

  • Considere a captação um processo semelhante ao de vendas complexas. Você está vendendo seu negócio para um novo sócio, o que exige mais disciplina que a própria venda B2B Enterprise.
  • É importante negociar os termos da sociedade para garantir uma boa governança após o recebimento do investimento. 

Processo de negociação e Risco


Conheça bem as cláusulas restritivas

Em uma captação, há cláusulas restritivas, como: 

  • Empreendedor ou empreendedora não pode sair da empresa;
  • Sócios e sócias têm preferência de aquisição; 
  • O fundo pode vetar questões relevantes; 
  • Empreendedor ou empreendedora não pode fundar uma empresa concorrente; 
  • As condições de negociação são as mesmas para empreendedores, empreendedoras, investidores e investidoras. 

Para garantir uma boa negociação, comece a estruturar cedo a rodada – geralmente com 6 meses de antecedência. Assim, você segue o processo com mais tempo de analisar propostas de term sheet e pode criar concorrência pelo deal. Mesmo começando antecipadamente, sempre planeje acessar outras alternativas de financiamento caso a captação não ocorra. 

O Term Sheet é uma parte importante do processo

Outro elemento que envolve risco para as empresas é o Term Sheet.

O Term Sheet é um documento de acordo pré-investimento, como uma “carta de intenções”. Ele estabelece termos importantes, como a participação que o investidor ou investidora terá na sociedade, como poderá se envolver na operação, entre outros. 

Normalmente, esse documento é assinado antes da due diligence – em que a empresa passará por uma série de avaliações e auditorias. Nesse momento é validado tudo o que foi apresentado ao investidor ou à investidora até então, garantindo que a empresa não está sob algum risco operacional ou financeiro. Caso todas as expectativas da diligência legal sejam atendidas, o investimento acontece sob os termos assinado no term sheet.

Geralmente, o Term Sheet engloba termos e direitos econômicos, políticos e outros aspectos relevantes como lock-up e non-compete.

No Mapa de Acesso a Capital, você confere todos os detalhes do term sheet

Diluição


Uma diluição saudável é decisiva para o futuro da empresa

O investimento em equity exige uma diluição que é, em média, de 15% a 25% para uma Series A, e de 18% a 30% para uma Series B. É importante que após a series A, os fundadores mantenham mais de 50% da empresa.

A diluição excessiva desde o início afeta a motivação do empreendedor e empreendedora no negócio. Além disso, quando uma empresa levanta capital é muito improvável que nunca mais passe por nenhuma rodada de investimento – então, com uma diluição inicial de 50%, como vai haver espaço para mais um investidor ou investidora?

Por isso,negocie corretamente e com fundos que entendam a importância da diluição adequada. 

Dicas importantes

  • É importante realizar um plano de negócios e planejar as necessidades de caixa, otimizando as rodadas para diminuir a diluição.

Processo de pós captação


É preciso continuar sendo o melhor CEO para a empresa

Considere uma captação como um combustível para o crescimento da sua empresa. Isso significa que, agora, você terá recursos para investir onde precisa e atingir seus objetivos que levam a sua visão de longo prazo. Por isso, como liderança, você deve sempre tocar estratégia, execução e desenvolvimento do seu time. 

Você, como CEO, assume dois papéis na empresa: o de sócio ou sócia e de gestor e gestora.

Cada rodada de investimentos é um passo para aumentar o crescimento e impacto da sua empresa no ecossistema. 

Tudo sobre equity no Mapa de Acesso a Capital, confira!